sábado, 13 de março de 2010

O Recém-nascido

Nessa noite
Quando na rua caminhava
Mesmo quase junto a mim
Uma criança chorava

Olhei em meu redor
Procurando o choro por mim ouvido
Foi com espanto que descobri
Um corpo abandonado
De um recém-nascido

Peguei nele com mil cuidados
Protegi-o com meu casaco
Que acabei de despir
Ao sentir-se protegido
Aquele recém-nascido
Sufocou o seu choro
Para me olhar e sorrir

Foi então que uma lágrima
Deslizou em minha face
E mergulhou sobre ele docemente
Que mãe seria aquela
Que abandonou na viela
Uma criança inocente.

3 comentários:

  1. Olá Tio Parabéns gosto muito do seu blogue.
    Sou sua fá.
    BJS Inês

    ResponderEliminar
  2. OLA É a sara gosto do teu blogue

    ResponderEliminar